Com a exibição de Ammonite acontecendo em mais de 500 salas de cinemas no Reino Unido, como parte do encerramento do Festival de Cinema de Londres, a Lionsgate divulgou o trailer britânico do filme, e um maravilhoso novo pôster. Confira:

Foi divulgado agora a pouco que os direitos de distribuição do filme Ammonite, estrelado por Saoirse Ronan e Kate Winslet foram comprados pela NEON. Eles estarão encarregados de distribuir o filme nos Estados Unidos e Canadá enquanto a Sony Pictures cuida da distribuição internacional.

Após uma disputa com várias distribuidoras de prestígio, NEON conseguiu fechar o negócio por US $ 3 milhões.

A distribuidora foi responsável pela distribuição de filmes como: I, Tonya de Margot Robbie, e os mais recentes “Retrato de uma jovem em chamas” “Clemency” e o aclamado “Parasita”

Segundo a imprensa internacional Ammonite estava previsto para estrear no festival de Sundance, mas agora é esperado que ele seja lançado em um festival mais próximo da temporada de premiações.

Ammonite é ambientado na Inglaterra do século XIX (1800), na medida em que a aclamada, mas não reconhecida, caçadora de fósseis Mary Anning (Winslet) trabalha sozinha na costa rochosa do sul. Com os dias de suas famosas descobertas para trás, ela agora procura fósseis comuns para vender a turistas para sustentar a si mesma e sua mãe doente. Quando um visitante rico confia a Mary os cuidados de sua esposa Charlotte (Ronan), ela não pode se dar ao luxo de recusar sua oferta. Orgulhosa e implacavelmente apaixonada por seu trabalho, Mary inicialmente entra em conflito com sua hóspede indesejável, mas, apesar da distância entre sua classe social e personalidades, um intenso vínculo começa a se desenvolver, obrigando as duas mulheres a determinar a verdadeira natureza de seu relacionamento.

Saoirse estrelou a capa da nova edição da revista IO Donna e falou sobre seus futuros trabalhos como atriz, dirigir filmes, moda e muito mais. Confira:
PS: Entrevista traduzida para o inglês e depois para português, podendo assim conter alguns erros de tradução no processo.

“Hollywood não é um lugar para crianças, mas eu me salvei”

É quase impossível para os atores inspirarem ternura fora de um set de filmagem. Quanto melhor eles são, maior a desconfiança. Mas na presença de Saoirse Ronan que, com genuíno triunfalismo, revela: “Ontem recebi minha licença!” Nem mesmo o repórter experiente pode impedir a solidariedade. E a sensação é que a irlandesa de 25 anos que recebeu sua primeira indicação ao Oscar quando tinha 13 anos (para a Atonement, que foi seguida por outras duas) teve um grande desejo de dizer ao mundo que cresceu.

A condição de uma criança prodígio (e ela é uma criança prodigiosa também), mesmo que talvez não seja mais tão perigosa quanto costumava ser, certamente é desconfortável. Há sempre alguém pronto para lembrá-la das histórias que terminaram mal, os talentos que desapareceram, os que estão em conflito com os pais, os que não conseguem fazer a transição. Macaulay Culkin será para sempre o filho de “Home Alone”, enquanto Jodie Foster ainda representa, aos 56 anos, o resultado feliz. Saoirse, além do exotismo do nome (que significa “liberdade”, que foi muito popular na década de 1920 e foi pronunciado “Serscia”), faz com que as pessoas saibam que ela vive uma vida razoavelmente normal. Ela trabalha na Europa e na América e descansa no interior da Irlanda, que ela nunca perde a oportunidade de exaltar por sua beleza e propriedades taumatúrgicas no corpo e no espírito.

Aos 25 anos, você é agora uma mulher independente, tem um apartamento em Londres, tem viajado desde que nasceu. A Irlanda ainda é sua casa?
Sempre será, mesmo que eu goste de viver entre um lugar e outro. Eu nasci em Nova York, fui para Dublin e depois por 12 anos o interior da Irlanda abriu seus braços para mim toda vez que eu voltava para casa. Eu gosto de estar com minha família e a Irlanda é um lugar onde você ainda pode desfrutar do silêncio e do espaço. Não sei se será assim por muito tempo. A corrida do passaporte irlandês foi desencadeada pelo Brexit.

Seus amigos de infância ainda estão lá? Você conseguiu manter contato com eles com a vida que tem?
É inevitável perder as pessoas quando saímos ou quando tomamos caminhos diferentes na vida. Mas eu ainda tenho alguns amigos de quando eu era criança e felizmente há novos que eu conheci ao longo do caminho. Como Eileen O’Higgins, nos conhecemos no set do Brooklyn, ela é do norte: não vamos parar de discutir o que está acontecendo …

Você tem dupla cidadania, irlandesa e americana. Você pode ver o que acontece aqui e ali de dois pontos de vista.
Na verdade eu precisaria de 3 ou 4 … Ninguém entende nada do que está acontecendo, especialmente na Grã-Bretanha. Brexit é uma verdadeira bagunça e ninguém sabe como sair. Se você me perguntar o que vejo a meio caminho entre esses dois mundos, vejo a agressão crescendo tanto na Europa quanto na América.

Se uma fronteira verdadeira for restabelecida no coração da Irlanda, será…
um pesadelo. Do ponto de vista logístico, mas acima de tudo moral. Será um passo atrás na história. Este tem sido um país pacífico desde 1998 (o acordo de paz para a Irlanda do Norte foi assinado naquele ano). Problemas e violência foram resolvidos, mas vejo uma antiga raiva ressurgindo do passado. Ninguém aqui quer uma fronteira difícil, nem em Dublim nem em Belfast. Mas eu não entendo o que eles querem em Londres.

Você tem dois filmes saindo. Ammonite pertence à categoria que uma vez teria sido chamada de “filme feminino”.
Todos os filmes são, eu não acho mais uma categoria adotável, mesmo que aqui estejam as duas mulheres. Eu adorei trabalhar com a Kate (Winslet). Kate interpreta uma mulher inspirada na figura de Mary Anning, uma talentosa paleontóloga que foi muito influente em 1800 na Grã-Bretanha. Estamos nos anos 20 em uma cidade costeira, e lá Anning tem uma amizade muito intensa com uma rica mulher de Londres confiada a ela por seu marido, interpretado por mim. Eles acabam se apaixonando.

Um amor impossível. Não é a primeira vez que você se coloca no lugar de uma mulher que se descobre através do poder revelador do corpo: crescer desempenhando papéis como a pequena Briony de Atonement, a jovem noiva de Brooklyn, a menina inquieta de Lady Bird, sem Contar que no teatro estava Abigail em The Crucible, o que você descobriu sobre si mesma?
Colocá-las todas seguidas é como obter um catálogo das passagens universais da vida. São personagens em que me refleti, que me enviaram uma imagem de mim que estava mudando. Claro, estes são processos que talvez façam uma atriz que começou cedo como eu fiz mais consciente … talvez muito consciente. O meu é um trabalho que requer cautela.

A última vez que nos encontramos foi para “The Grand Budapest Hotel”, de Wes Anderson. Você tinha acabado de completar vinte anos e isso, você nos disse, foi o primeiro filme em que sua mãe não a acompanhava. Um rito de passagem. Não é o destino dos filhos únicos? O vínculo é forte, primordial e a independência cria excitação, mas também tristeza.
Exatamente, uma combinação desses dois sentimentos. De repente, você sabe que a infância, com sua simplicidade, desaparece e nunca mais voltará. Eu tive uma infância linda, também graças à minha mãe. Os vinte anos são uma idade complicada para todos. E o primeiro momento em que você decide se movimentar sozinho é crucial. Mas o relacionamento cresce, muda e com a distância, é aperfeiçoado. Ontem passei no exame de habilitação. Eu diria que estou realmente crescida agora.

Sua mãe gostaria de protegê-la de um ambiente do qual agora também conhecemos os muitos lados obscuros.
Hollywood não é um lugar para crianças. Talvez nem mesmo para adultos, às vezes. Mas eu tive muita sorte. Os diretores e atores com quem trabalhei foram gentis comigo, sempre protetores. Eles ainda são agora, mesmo que eu não precise mais. Mas mesmo que eu nunca tenha corrido nenhum perigo, percebi cedo como poderia ter sido se eu não tivesse me encontrado em um lugar seguro.

O outro filme em que vamos vê-la em poucos meses é “Little Women”, dirigido por Greta Gerwig. Você será Jo, a mais moderna das irmãs de março. Mas ainda há espaço para a história de Louisa May Alcott no mundo em 2019?
Em 2019 ou 2050, será sempre atual, pois é atemporal, e cada geração pode ser refletida nela. No filme há também Meryl Streep no papel da tia. Eu tenho uma única cena com ela, mas esse foi o dia mais emocionante de toda a filmagem. Olhando para ela… é incrível, ela tem magia por dentro, uma maneira de trabalhar que é só dela. Eu estava muito agitada …

Você é frequentemente dirigida por mulheres. Você deseja dirigir também?
Greta é um dos diretores que mais me influenciou. Ela fez a jornada de atuar para escrever e depois para a direção. Eu espero fazer o mesmo. Ela é modelo para mim.

E com o que você gostaria de começar?
Eu gostaria de dirigir atores irlandeses e contar algo sobre minha terra, uma história de rebelião, uma história política.

Um dia você poderia até ser uma modelo. Na sessão de fotos que você fez para IO Donna, parece completamente à vontade. Qual a sua relação com a moda?
Na realidade, eu não sei muito sobre isso, em comparação com muitos dos meus colegas que são muito bem informados sobre coleções, diretores criativos, designers. Elizabeth Saltzman, minha estilista (Saltzman também veste Gwyneth Paltrow e está em 12º lugar entre os estilistas mais influentes do mundo na lista Hollywood Reporter), realmente abriu um mundo, me apresentou a estilistas como Alessandro Michele da Gucci, Tom Ford… pessoas incríveis. Eu nunca teria me sentido tão à vontade, ou tão sexy, ou legal, com um vestido antes de conhecê-la. Pela primeira vez usando um vestido, senti que abraçava minha feminilidade.

Posar para uma campanha de moda é como interpretar um personagem?
Uma campanha de moda é como um filme. Você já viu Paolo Roversi trabalhar? Ele é um diretor real.

Fonte | Tradução e Adaptação – Equipe Saoirse Ronan Brasil

O diretor de Ammonite, filme estrelado por Saoirse Ronan e Kate Winslet, usou sua conta no twitter para falar sobre as críticas feitas por parentes de Mary Anning, sobre como ela será retratada no filme e também para rebater a mídia, que vem falando sobre o assunto nos últimos dias.

Em uma entrevista ao The Telegraph , alguns dos parentes de Anning criticaram o filme por incluir o que eles dizem ser um relacionamento gay inventado. Os parentes dizem que a sexualidade de Anning nunca foi confirmada.

Veja abaixo o que o diretor de Ammonite disse: